A atividade da Praticagem São Francisco é intimamente relacionada com a preservação do Meio Ambiente e do Patrimônio das cidades banhadas pela Baía da Babitonga.

O Prático vai à bordo buscando sempre preservar a fauna e flora locais, evitando situações em que as forças da natureza e/ou avarias nas embarcações não permitem uma navegação segura. O Prático é a presença do Estado Brasileiro à bordo e está sempre atento à defender as riquezas de nossa pátria.



“O Prático é a presença do Estado Brasileiro à bordo e está sempre atento à defender as riquezas de nossa pátria.”



São Francisco do Sul

Colonizada por portugueses, São Francisco do Sul é a terceira cidade mais antiga do Brasil. Seu charme se deve ao casario em estilo colonial português que emoldura as estreitas ruelas do centro histórico, tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Além da História, das tradições e do porto, São Francisco do Sul tem belíssimas praias, procuradas por milhares de turistas a cada verão.

São Francisco do Sul com 500 anos de História, que marca suas ruas, casas, igrejas, sambaquis, ruelas e becos. Conheça a Igreja Matriz Nossa Senhora da Graça, de 1699, construída por escravos, milicianos e pelo povo do lugar, com argamassa feita de uma mistura de cal, concha, areia e óleo de baleia. Conheça as cariocas (bicas d’água), o Museu Histórico, o Museu Nacional do Mar, único do Brasil e que abriga exemplares e réplicas regionais de embarcações do litoral brasileiro, além de instrumentos, documentos, aparelhos de orientação naval, equipamentos, mapas, miniaturas, cenários.

FONTE

A Baía da Babitonga


Ao tempo do descobrimento, os índios carijós davam à ilha o nome de Babitonga, cuja tradução significa terra em forma de morcego. Hoje, esta denominação identifica a grande baía de águas calmas que avança para Oeste, até o Rio Cachoeira, em Joinville.

A Babitonga é a maior baía navegável do estado de Santa Catarina. Estendendo-se no sentido Leste/Oeste, é abrigada do vento Sul, tornando suas águas democráticas; pode-se navegar pela baía em potentes lanchas, em silenciosos veleiros e em pequenas canoas. O porto e o centro da cidade, com seu casario histórico, ficam logo na entrada, depois de ultrapassada a barra. Ao fundo da baía, depois de passar por 24 ilhas, chega-se à Lagoa de Saguaçu e ao Rio Cachoeira, caminho percorrido pelos imigrantes que fundaram Joinville.

FONTE