O que é Praticagem

No Brasil, assim como em todos os países que possuem comércio internacional por via aquaviária, a Praticagem é a atividade que proporciona eficiência e garante a segurança das operações dos navios que trafegam em suas águas territoriais, seja ao longo da costa ou em águas interiores, tendo o Estado como seu único cliente e os navios como usuários deste serviço. É uma operação disponível em todas as horas do dia, e em todos os dias do ano.

A praticagem em outros países

A praticagem existe no mundo todo e é considerada atividade de interesse público. No Brasil, ela funciona de forma semelhante às principais nações marítimas. Os práticos são profissionais vinculados ao setor aquaviário, e não ao portuário, como muitos imaginam.

O que faz o Prático

O Prático é o profissional aquaviário que executa tal atividade, representando o interesse público a bordo dos navios, com sólido conhecimento técnicoprofissional da navegação em águas restritas. Para isso, possui aprimorada formação náutica além de vasta experiência das características da nossa região, tais como as variações das correntes, ventos, marés e profundidades. Com seu conhecimento, vai a bordo e assessora profissionalmente os Comandantes na condução de seus navios, preocupando-se sobretudo com a segurança da navegação, a salvaguarda da vida humana, o patrimônio público e privado ao longo das margens e a preservação do meio ambiente.

Número de Práticos em cada porto

Há no Brasil 22 Zonas de Praticagem (ZPs) espalhadas por costas marítimas e rios, onde 411 profissionais trabalham em sistema de rodízio integrado. Existe a perspectiva de aumento de até 50% desse efetivo, após processo de seleção em curso desde 2012. O número é definido pela autoridade marítima em função do volume do tráfego de embarcações, do tempo despendido e do grau de dificuldade para a realização das tarefas de praticagem, da necessidade de manutenção da habilitação e da carga máxima de trabalho do Prático, de acordo com o que estabelece a legislação. A limitação do número de profissionais ocorre no mundo inteiro, mais por uma questão técnica ligada à segurança, que independe de injunções políticas e econômicas.

FONTE